sábado, 31 de outubro de 2009

Nem todo o mal é mau

João 13 21 Dito isso, Jesus ficou perturbado em seu espírito e declarou abertamente: Em verdade, em verdade vos digo: um de vós me há de trair!... 22 Os discípulos olhavam uns para os outros, sem saber de quem falava. 23 Um dos discípulos, a quem Jesus amava, estava à mesa reclinado ao peito de Jesus. 24 Simão Pedro acenou-lhe para dizer-lhe: Dize-nos, de quem é que ele fala. 25 Reclinando-se este mesmo discípulo sobre o peito de Jesus, interrogou-o: Senhor, quem é? 26 Jesus respondeu: É aquele a quem eu der o pão embebido. Em seguida, molhou o pão e deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes. 27 Logo que ele o engoliu, Satanás entrou nele. Jesus disse-lhe, então: O que queres fazer, faze-o depressa. 28 Mas ninguém dos que estavam à mesa soube por que motivo lho dissera. 29 Pois, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que Jesus lhe falava: Compra aquilo de que temos necessidade para a festa. Ou: Dá alguma coisa aos pobres. 30 Tendo Judas recebido o bocado de pão, apressou-se em sair. E era noite... 31 Logo que Judas saiu, Jesus disse: Agora é glorificado o Filho do Homem, e Deus é glorificado nele. 32 Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e o glorificará em breve. 33 Filhinhos meus, por um pouco apenas ainda estou convosco. Vós me haveis de procurar, mas como disse aos judeus, também vos digo agora a vós: para onde eu vou, vós não podeis ir. 34 Dou-vos um novo mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. 35 Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. Visto isso, com um pouco de lógica nos é dado perceber que o próprio Lúcifer, adversário de Adonai, participou da salvação da humanidade. Se não fosse o ódio e a inveja da Besta, o homem não teria recebido a graça da morte de Yeshua, sacrifício humano para expiar nossos erros. Paremos para pensar: o Tai-Chi é verdadeiro. Nem o mal personificado destila sua essência a todo tempo. Paremos de lutar contra os sentimentos e entendamos que deles necessitamos. Aquele que busca o amor busca a personificação do Sol. Yeshua disse: Não vim para trazer a paz mas a espada. Yeshua afirmou a si a ao mundo que ele e seu pai eram UNO. Aquele que adentra nos meandros do Sol sabe: quem busca o amor primordial, jamais encontrará a paz.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Lágrimas são divinas

O.B.S.: Este texto não segue uma ordem clara de pensamento. Foi escrito em um estado alterado de consciência fruto da meditação dos dois corações. Autoria própria. “Filho meu não pode chorar”, “Homem não chora” e várias outras frases de cunho machista suprimem do homem a inata capacidade e beleza de chorar. Já dizia eu mesmo: “Lágrimas são a mais divina manifestação humana; elas nascem da mais profunda essência do EU para lavar dos olhos da alma a poeira que a vida lhes jogou”. Mas porque chorar? Sempre que esta pergunta me vem a mente eu me lembro da Estrela do Tarot de Marselha. Ali, totalmente despida de qualquer conceito mundano, concentrada somente em verter no solo fértil do consciente e na corrente de águas límpidas da vida o conteúdo dos dois vasos que tem em mãos. Em dado momento parei para perguntar a bela moça o que eram aqueles dois lindos vasos. Ela sorriu para mim e me respondeu carinhosamente: “São meus olhos. Deles verto lágrimas para fazer brotar as belas árvores da vida humana”. Então se calou e negou a mim qualquer outra questão que eu pudesse fazer. Não me dando por satisfeito resolvi questionar a bela senhora que figurava no próximo arcano o porque do seu pranto. Ela então respondeu rispidamente: “Do que vale a vida se não pranteias a morte?”. Ela então fechou os olhos e vi seus cães ladrarem ameaçadoramente para mim. Dei um passo para trás e decidi terminar a jornada. Passei dias deglutindo o que as duas belas mulheres haviam me dito. Então lembrei da frase de Crowley: “Desperdicei o tempo, agora o tempo me desperdiça”. Estava ali, na minha frente, a não resolução dos meus problemas. Eu finalmente havia entendido a dureza da Lua. Do que adianta viver se não pranteamos a morte dos velhos estigmas e egos? Do que vale a vida se as velhas torres em que nos guardamos da iluminação não são derrubadas? A roda da fortuna gira uma vida por dia. Somente a morte explica a vida e a vida explica a morte. Nossos ciclos estão fadados a terminar, e neste fim, as lágrimas emergem como o sangue da presa morta. Então em uma ordem inversa brota da morte a vida. Dos sonhos mortos recolhidos pela lua é gerada a água que verte dos olhos da estrela. “Que nenhum homem seja privado da beleza de chorar. Que todo o homem tenha o direito de fazer brotar na sua face o brilho do ouro primordial que cintila dentro do seu ser. Que a luz refletida nas lágrimas seja a estrela a guiar nossas vidas. Emoções são cavalos selvagens, são mais belos quando correm soltos pelo vasto campo da vida.”

Liber Oz

“Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei” AL I 40 “Tu não tens direito senão fazer a tua vontade. Faze aquilo, e nenhum outro dirá não” AL I 42-3 “Todo homem e toda mulher é uma estrela” AL I 3 “Não existe Deus senão o homem” 1. O Homem tem o direito de viver pela sua própria lei; de viver da maneira como quiser viver; de trabalhar como quiser; de brincar como quiser; de morrer quando e como quiser. 2. O Homem tem o direito de comer o que quiser; de beber o que quiser; de morar onde quiser; de se mover como quiser sobre a face da terra. 3. O Homem tem o direito de pensar o que quiser; de falar o que quiser; de escrever o que quiser; desenhar, pintar, lavrar, estampar, moldar, construir como quiser; de se vestir como quiser. 4. O Homem tem direito de amar como quiser; “tomai vossa fartura e vontade de amor como quiserdes, quando, onde e com quem quiserdes” AL I 51 5. O Homem tem direito de matar esses que possam querer contrariar estes direitos. “os escravos hão de servir.” AL II 58 “Amor é a lei, amor sob vontade” Aleister Crowley

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Cifras Illuminati e a Kabbalah Inglesa

Calma, o post ainda não é esse :) Venho aqui apenas explicar a demora na atualização do blog por minha parte. Resolvi atrasar um pouco as explanações acerca do último ritual apresentado, e o post de introdução a Kabbalah Hebraica para dar uma leve olhada nesse tema tão controverso. O intuito do post é dar uma leve passada sobre a gematria da Kabbalah Inglesa e o seu papel nas cifras illuminati e na codificação musical. Estou pensando também em um post sobre sigilização com base nas teorias de Osman Spare, mas não antes da sua biografia. Depois destes posts voltaremos para explanar o Ritual Menor do Pentagrama de Banimento na visão da Astrvm Argentvm para podermos parar novamente com os rituais e falar um pouco sobre teurgia e dar um pulinho no caminho da mão esquerda, falando sobre escrita qliphótica, Liber Arcanorvm e sobre o alfabeto infernal.

sábado, 24 de outubro de 2009

Ritual Menor do Pentagrama - Versão da Astrvm Argentvm

Parte 1 - a Cruz Cabalística (ou Rosa Cruz)

1 - Toque a testa e diga ATEH

2 - Toque o sexo e diga MALKUTH

3 - Toque o ombro direito e diga VE - GEBURAH

4 - Toque o ombro esquerdo e diga VE - GEDULAH

5 - Junte as mãos no peito e diga LE - OLAHM AMEN

Parte 2 - os Pentagramas

6 - De frente para o Leste (o oriente, ou para os thelemitas, Boleskine), desenhe um pentagrama visualizando-o, no centro visualize o primeiro nome, IHVH e inspirando-o, sentindo passar pelo peito até os pés e sentindo a sua volta, fazendo o sinal do entrante, varando o pentagrama, vibre o nome ("Iod Rê Vô Rê", por exemplo) com energia.

7 - De frente para o Sul, repita o processo anterior trocando o nome por ADONAI.

8 - De frente para o Oeste, repita o processo anterior trocando o nome por EHEIEH.

9 - De frente para o Norte, repita o processo anterior trocando o nome por AGLA.

Caso o estudante não tenha percebido, ele está girando no sentido horário.

Parte 3 - Invocação dos Arcanjos

10 - Na posição de Cruz (os braços abertos e os pés juntos), o estudante repetirá:

"A minha frente RAPHAEL"

11 - "Atrás de mim GABRIEL"

12 - "A minha direita MICHAEL"

13 - "A minha esquerda AURIEL" -

14 - "Pois ao meu redor flamejam os Pentagramas"

Sempre imaginando os Arcanjos nas suas respectivas posições e os pentagramas em chamas. Cada um está relacionado a um elemento: Ar, Fogo, Água e Terra, na sequencia. Como os elementos são 4, o magista, ao centro, será a 5ª parte do pentagrama, o espírito.

15 - "E na coluna do meio, brilha a estrela de seis raios".

Que o estudante visualize dois Hexagramas, um em cima e o outro projetado embaixo, com uma faixa de luz estendendo-se infinitamente na vertical, envolvendo-o.

16 - Repita a Parte 1 e o ritual estará encerrado.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Coração Humano com Fritada de Batatas e Ketchup

Jai Ho. ♠ Esta postagem vem para complementar as digitalizações de A Paixão do Arlequim. ♠ É uma receita de como preparar Coração Humano [seu!!!] para que seja consumido por outra pessoa. ♠ Rendimento: uma porção. ♠ Ingredientes necessários: ♦ Romantismo, ♦ Tempo, ♦ Paciencia, ♦ Dedicação, ♦ Alguém que Mereça, ♦ Seu Coração, ♦ Ketchup, ♦ 4 Batatas do Reino [sempre maravilhosas], ♦ Queijo ralado a gosto, ♦ Cebola, Cebolinha, e outros temperos de sua preferencia, ♦ 3 colheres de farinha de trigo, ♦ 1/2 colher de sopa fermento em pó, ♦ Um Jantar, ♦ Velas, ♦ Se quiser, champanhe, ♦ Música: Maroon 5, Jazz leve, Elvis, Bon Jovi e alguns outros, ♦ Muita Paixão. ♠ Como preparar: Arranque seu coração cuidadosamente, para que não seja danificado no caminho e reserve. Muito cuidado com ele, você só terá uma chance de cada vez. Como preparar a fritada de batatas:
♣ Misture tudo em uma frigideira anti-aderente, coloque um pouco de massa, mas não muito e vá fritando de ambos os lados. ♣ A batata cozinhará rapido. ♣ Quando estiver tostada retire e polvilhe queijo ralado se gostar. Após a batata estar pronta, coloque-a em um prato muito bem arrumado, de preferencia branco com desenhos. Pegue o coração que você reservou e ponha cuidadosamente no prato onde irá ser servido. ♥ Corte-o com uma faca muito fina, tão fina que você nem sinta quando ela passar. ♥ Adicione ketchup ao lado do coração, é para ajudar a descer, visto que é um filet cru. ♥ Entregue ao seu amor num jantar romantico. ♥ Você pode ganhar, em retribuição, o coração dele/a. Só tome cuidado para ele/a não já te haver dado e você não ter percebido... ♥ Você ficará ligeiramente estranho, mas vai ser muito bom. Garanto. Que você tenha muitos corações para comer e preparar! ♥ Boa noite a todos, bom final de semana, tenho um coração para preparar. xoxo

A Paixão do Arlequim - A Capa

♠ Ok. Aqui está a ultima das digitalizações da revista A Paixão do Arlequim, de Neil Gaiman e John Bolton. ♠ Incrível, a capa está num estado de petição incrível, mas eu a tenho há exatamente um mês [ganhei dia 23/09/2009]. ♣ Algumas considerações sobre as melhores citações virão muito posteriormente. ♦ Talvez valha à pena lembrar que vocês estão vendo na ordem inversa à que eu postei [fiz assim para facilitar a leitura]. As insanidades que eu coloquei valem mais lidas na ordem da ultima folha para a primeira. ♥ Tem muitas loucuras e besteiras ululando ao redor dos comentários. Perdões por eles. ♠ MUITO IMPORTANTE! → Cliquem nas imagens para melhorar a leitura. Acreditem, vai ser bem melhor. xoxo.

A Paixão do Arlequim - Página 01

♦ Resolvi deixar para o final [ou seja, pra capa] as observações. Peço apenas que cliquem nas imagens para melhor visualização. xoxo.

A Paixão do Arlequim - Página 02

♠ Depois dessa só tem mais uma. E junto com ela algumas observações.

A Paixão do Arlequim - Página 03

♣ Página 03.

A Paixão do Arlequim - Página 04

♦ Four, Tres, Two, Uno!

A Paixão do Arlequim - Página 05

♠ Tá aí em cima...

A Paixão do Arlequim - Página 06

♦ Adoro casacos de couro. Ficam ótimos tanto em homens quanto em mulheres. Contanto que faça o estilo.

A Paixão do Arlequim - Página 07

♦ Sete é um numero ótimo...

A Paixão do Arlequim - Página 08

♠ Só mais sete páginas... Esta, especificamente, é adorável.

A Paixão do Arlequim - Página 09

♠ Mais uma página...

A Paixão do Arlequim - Página 10

♦ Só mais algumas!

A Paixão do Arlequim - Página 11

♦ It's my life...

a Paixão do Arlequim - Página 12

♠ Estou começando a ficar triste... Está chegando ao fim.

A Paixão do Arlequim - Página 13

♦ Estou quase em dois terços do envio.

A Paixão do Arlequim - Página 14

♦ Mais uma!

A Paixão do Arlequim - Página 15

♦ Eba! Na metade!

A Paixão do Arlequim - Página 16

♦ A dezesseis vai logo aí!

A Paixão do Arlequim - Página 17

♦ Mais uma página!

A Paixão do Arlequim - Página 18

♦ Página 18 abaixo. ♦ Engraçado, só agora reparei que deveriam ser os "♦" o símbolo destas postagens.

A Paixão do Arlequim - Página 19

♥ Página 19 tá aí pros [poucos] apreciadores.

A Paixão do Arlequim - Página 20

♠ Agora só faltam 20!

A Paixão do Arlequim - Página 21

♠ Página 21 vai aí!

A Paixão do Arlequim - Página 22

♠ Segue a página 22. Estou mais ou menos em um terço do total.

A Paixão do Arlequim - Página 23

♠ Página 23 abaixo... Ou acima, quem sabe... Estes conceitos são relativos...

A Paixão do Arlequim - Página 24

♠ Página 24...

A Paixão do Arlequim - Página 25

♠ A página 25 tá abaixo...

A Paixão do Arlequim - Página 26

♠ Página 26 abaixo...

A Paixão do Arlequim - Página 27

♠ Página 27... ♠ A partir desta vou me abster de comentar, tá?

A Paixão do Arlequim - Página 28

♠ Página 28 aí embaixo... ♠ Cliquem nela para melhor visualização...

A Paixão do Arlequim - Página 29

♠ Segue a página 29 de A Paixão do Arlequim. ♠ Clique na imagem para melhor visualização... xoxo

A Paixão do Arlequim - A Ultima-Capa

♠ Ok. Disse que ia A Paixão do Arlequim. ♠ Vou postar uma folha a cada postagem, assim fica mais fácil de ler. ♠ Começarei pela ultima-capa, pelo simples fato de que o pessoal, quando chegar no marcador A Paixão do Arlequim, vai ver as ultimas postagens primeiro. ♠ Lá vai!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Ritual Rubi Estrela - Simbologia Ritualística

As Inteligências Neoplatônicas do Ritual

Os nomes Iunges, Teletarchai, Sunoches e Daimones, que são invocados no Ritual Rubi Estrela, são inteligências do Neoplatonismo, originárias dos Oráculos Caldeus (Chaldean Oracles), falsamente atribuídos a Zoroastro e que contém a doutrina e a filosofia da antiga Balilônia. Cada um destes nomes não identifica um ser em particular, cada um destes nomes se refere a uma determinada classe de semideuses, no caso dos três primeiros, e o último se refere as seres espirituais em menor posição hierárquica. Os Iunges, Sunoches e Teletarchai, que podem ser ligeiramente traduzidos como Rodopiantes, Conectores e Aperfeiçoadores, pertencem à Segunda Ordem da Hierarquia Emanacionista, à Segunda Mente, ao Mundo Empírico, no sistema dos Oráculos Caldeus. Neste sistema, eles são os intelectuais e inteligíveis e formam a "Tríade Intelectual”, os Três Supernais. Note-se que aqui “intelectuais” e “inteligíveis’ nada tem a ver com o com seus significados comuns, e seus reais significados só podem ser perfeitamente compreendidos acima do abismo. A Tríade Intelectual se origina dos Pensamentos do Pai, uma Inteligência Superior e Fonte todas as Coisas. Eles são os guardiões das obras do Pai e da Mente Única, a Inteligível. Os Daimones são espíritos que estão abaixo do abismo. Segundo estudiosos modernos, Iunges, Sunoches e Teletarchai, correspondem, respectivamente, a: Chockmah, Binah e ao Pilar Mediano, e não exatamente às três Sephiroth Supernais da Qabalah Hebraica ou da Ocidental.

Todos estes são “Espíritos Mediadores” e são essenciais nos Ritos Teúrgicos. Eles participam no governo do universo mantendo os canais de influência e vínculos de harmonia emanados de Nous (Inteligência em Grego). Eles são os Iniciadores (Iunges), Mantenedores (Sunoches), Aperfeiçoadores (Teletarchais) e Executores (Daimones) do Impulso Criativo Divino que se origina no mundo inteligível e se manifesta no mundo sensível.

Iunges (os Iniciadores)

São os que dão poderes às Idéias Simbólicas, Signos, e Símbolos usados nos Ritos Teúrgicos. Aeschylus usou esta palavra para metaforicamente se referir a "encanto, feitiço, desejo ardente e apaixonado". A palavra vem do grego IUGMOS denotando um som agudo e foi usada para se referir ao som emitido pelo pássaro chamado wryneck, significando “grito”. O wryneck, cujo nome em português é torcicolo, é um pássaro semelhante ao pica-pau e recebe este nome (torcicolo) devido ao seu hábito de torcer a cabeça e o pescoço. Ele é conectado ao simbolismo da roda. Os antigos Feiticeiros Gregos os utilizavam como amuletos, amarrando-os a rodas em movimento para que recuperassem amantes infiéis. Os Iunges são, metaforicamente, o grito dos wrynecks na roda em movimento.

Os Iunges são inteligências conceptivas, férteis, fecundas. Assim, eles fecundam os os Sunoches (os Conectores), e o resultado disto serão os Teletharcai. Os Iunge é o Operador; o Doador de Vida que porta o Fogo Noético (de Nous); ele enche o peito de Hécate, a Mãe Natureza, fornecendo a vida; e instila (introduz gota a gota) nos Synoches a força vivificante do Fogo Noético, dotando-os com vigoroso Poder. Os Iunges são uma conjuração, os Synoches são uma ligação, com amor (Amor sob Vontade), conectada e forte. Nesta visão, fica muito coerente ligar os Iunges à Chockmah e os Sunoches à Binah, pois também na Qabalah Chockmah (AB, o Pai) fecunda Binah (a Mãe Supernal). Nesta linha, eu me atreveria a associar os Teletarchai com o Microprosopus, ou o Pequeno Rosto, composto pelas seis Sephiroth posteriores lideradas por Tiphereth.; sendo Tiphereth um grande símbolo de Iniciação. Continuando neste pensamento, eu diria que os Daimones seriam os espíritos mais próximos a Malkhut, que estão entre Malkuth e as demais Sephiroth, seriam o que poderíamos de certa forma chamar simplesmente de anjos.

Teletarchais (os Aperfeiçoadores)

Os “Mestres da Iniciação”, são os principais seres nesta Teurgia. Também são chamados de: Mestres de Cerimônia, Mestres do Templo, Hierofantes. A palavra Teletarchai se origina das palavras gregas telete ou “rito” (especialmente de iniciação aos mistérios) e archon/archai, que significa “senhor” ou “líder”, sendo assim o “senhor do rito”. Eles não são apenas conectados à própria iniciação, mas também ao resultado de uma iniciação. Teletarchai é o resultado dos “Iunges fertilizando os Sunoches”. Os Teletarchais são chefiados por Eros, e são aqueles que unem as Idéias. Antes das idéias serem criadas, Eros saltou da Inteligência Paternal, e misturou o que viriam a ser as Idéias, cujo estado embrionário existia nesta mesma fonte, por meio de Seu Fogo de União (União aqui é igual a: Encantamento de Amor). Pois sem seu poder de união, as Idéias não poderiam ser consolidadas dentro do Logos. Três tipos de Teletarchais são os Kosmagoi ou Governates dos Três Mundos Neoplatônicos (Empíreo, Etéreo, Material): Aiôn (não o Deus inefável de mesmo nome), Helios, e Selene. Note que os Iunges são os Iniciadores, os que plantam a semente, e os Teletarchai os Mestres da Iniciação.

Sunoches (ou Synokheis - os Mantenedores)

São os Conectores, são aqueles que mantém unido, inseparável, o elo, a ligação. Eles se referem à noção de eternidade. Para compreender os Sunoches deve-se compreender os Iunges.

Daimones (os Executores)

É o plural de Daimon e se referem a “seres do mundo espiritual”. Nos Oráculos Caldeus, a tríade Iunges/Teletarchai/Sunoches fazem parte de um grupo específico, mas Daimones recebem uma diferenciada classificação. Neste sistema, os Daimones são classificados inferiores aos semideuses, sendo assim espíritos mais ligados ao ambiente terrestre que ao espiritual propriamente dito. Não obstante, a direção norte, a da mais vasta escuridão, pertence a eles. Hesíodo se referiu ales como “as almas da Idade Dourada que formaram um vínculo entre os deuses e os homens”; na verdade são eles que conectam os homens com as três inteligências (semideuses) anteriores. Nesta linha, os Daimones poderiam ser considerados como um grupo de pessoas que alcançaram as sua Verdadeiras Vontades. De fato eles estão conectados com a Verdadeira Vontade, e há quem os considere como sendo o SAG (Sagrado Anjo Guardião). O nome Daimones pode causar uma ligeira confusão, já que com o advento do Novo Testamento o nome passou a ser uma referência para “demônio”, mas a palavra Daimon (no singular) é anterior a este Testamento e se refere mesmo a seres do mundo espiritual, puros indiferentes, amorais, eles são dependentes da natureza humana. Daimon pode variavelmente se referir a: deus, deusa, gênio, etc.

Iunges Teletarchais Sunoches Daimones

Iniciadores Aperfeiçoadores Mantenedores Executores Rodopiantes Senhores do Rito Conectores Espíritos Encantos/Feitiços Mistérios Restrições Gênios

Agora, podería ser traduzido assim as invocações do Rubi Estrela:

PRO MOU IUGGES: Diante de mim os Encantos/Feitiços. OPISO MOU TELETARKAI: Atrás de mim os Mistérios. EPI DEXIA SUNOKES: À minha direita as Restrições (no sentido de manter preso a algo). EPARISTERA DAIMONES: À minha esquerda os Gênios.

Este é apenas um breve estudo sobre estas Inteligências que aparecem na Quarta parte do Ritual Rubi Estrela. Vale lembrar que, mesmo tendo-se idéia de seus significados, é sempre importante que as invocações destas Inteligências sejam feitas com seus próprios nomes bárbaros, pois estes são mais eficazes.


Referências Bibliográficas

  • Chaldæan Oracles Zoroaster, The. Editado e revisado por Sapere Aude (William Wynn Westcott) com uma introdução por L. O. (Percy Bullock). 1895 e.v.
  • Chaldaick Oracles of Zoroaster And his Followers, The - With the Expositions of Pletho and Psellus. Editado e traduzido para o Inglês por Thomas Stanley, Londres- Impresso por Thomas Dring, 1661 e.v.
  • Analysys of the Star Ruby Ritual, An. Por Frater A.L. (443).
  • Summary of Pythagorean Theology, A. John Opsopaus.
  • Notas de Frater Sabazius para o Rubi Estrela.
  • Notas de Præcentor para o Rubi Estrela.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

O Porque dos Rituais

Este post é curto e grosso. O amigo Kabbalista aqui deseja iniciar-lhes levemente nos meandros mágicos e esotéricos em geral. Existem rituais e coisas das quais infelizmente não posso falar no blog, mas que citarei com a esperança de que vocês se esforcem para procurar e estudar. O primeiro ritual postado foi o Rubi Estrela, criado por Aleister Crowley e que é uma modificação do Ritual Menor do Pentagrama de Banimento (o qual postarei depois), ritual criado pela ordem Golden Dawn e incluído no "The Complete Golden Dawn System of Magic" de Israel Regardie. A ordem do ensino será a seguinte: rituais, simbologia ritualística (nem sempre) e explanação sobre o uso e significado do ritual. Escolhi manter por último a explanação para evitar que vocês façam besteira sem mesmo conhecer o ritual. Sem mais, Kabbalista.

Ritual Rubi Estrela (A.A)

1 - De frente para o Leste, fazendo o Sinal de Banimento, diga com vontade: APO PANTOS KAKODAIMONOS ( " Afasta-te Espírito do Mal" )

2 - Faça a Cruz Cabalística:

- toque a testa e diga: SOI - " A Ti" - toque o sexo e diga: O FALLE - " O Falus" - toque o ombro direito e diga: ISCUROS - " A Força" - toque o ombro esquerdo e diga: EUCARISTOS - "Eucaristia; graça divina" - junte as mãos no peito e diga: IAO - " O Deus dos Gnósticos; Isis ( As forças da Natureza) Apophis ( são destruídas) Osiris ( e renascem)"

3 - Continuando de frente para o Leste, coloque as mãos na face, envergando o corpo para trás, inspirando profundamente, imagine um Pentagrama dentro da cabeça, bem nítido e então, fazendo o Sinal do Entrante, lance-o para frente, rugindo THERION.

4 - De frente para o Norte, repetindo o gesto anterior, lance o Pentagrama para frente e diga NUIT.

  • Caso o estudante não tenha percebido, está girando no sentido anti-horário.

5 - De frente para o Oeste, repita o processo anterior, e sussurre BABALON.

6 - De frente para o Sul, repita o processo anterior e diga firmemente HADIT

7 - Completando o círculo, faça o Sinal de Banimento com energia e diga IO PAN, pisando forte com o pé direito.

8 - Faça os sinais de NOX.

9 - Na posição de Cruz (os braços abertos e os pés juntos), o estudante repetirá:

- PRO MOU IUGGES - (a minha frente Iugges) - OPISO MOU TELETARCAI - (atrás de mim Teletarcai) - EPI DECIA SYNOSES - (a minha direita Sainoses) - EPARISTERA DAIMONES - (a minha esquerda Daimones) - FLEGEI GAR PERI MOU O ASTHR TON PENTE - pois ao meu redor flamejam os pentagramas - KAI EN THI STHLHI O ASTHR TON EX ESTHKE - e na coluna do meio brilha a estrela de seis pontas.

10 - Repita a Cruz Cabalística, a parte 1 e o ritual estará encerrado.

No 777, a pedra Rubi Estrela, representa a energia masculina da Estrela Criadora.

Comentário:

"25 é o quadrado de 5, e o Pentagrama tem a cor vermelha de Geburah. O capítulo é uma nova versão, mais elaborada, do Ritual de Banimento do Pentagrama. Seria impróprio comentar mais sobre um ritual oficial da A. · . A. · .

OBS.: (14) O sentido secreto destas palavras é revelado na numeração de cada uma."

terça-feira, 20 de outubro de 2009

As Próximas Postagens

Ok. A partir da próxima postagem irei colocar aqui a HQ A Paixão do Arlequim, de Neil Gaiman. Razão? Irei fazer um trabalho sobre esta maravilha de obra. Postarei aqui A Paixão do Arlequim, informações sobre A Commedia Dell'Arte e coisas sobre A Arlequinada. xoxo

domingo, 18 de outubro de 2009

Drinks - Parte I

Outubro Negro Ingredientes: mel, café solúvel (de preferência 100% arábica), cachaça (de preferência Velho Barreiro) ou vodka (de preferência Orloff), pimenta da sua preferência. Modo de preparo: coloque uma colher de sopa de mel no fundo do copo que você deseja usar. Corte a pimenta que escolheu no meio e acomode-a no fundo do copo. Bata o café solúvel (numa proporção de 1 colher de sopa para 200 mL de cachaça ou vodka). Adicione o conteudo do liquidificador no copo com a pimenta e o mel de forma que eles não se misturem. Acrescente um canudo e sirva.

sábado, 17 de outubro de 2009

A Nacionalidade de Jesus

Li esta piadinha e resolvi postar aqui. É inteligente. Esta é a primeira piada que posto aqui... Um grupo de estudiosos, após longas pesquisas juntou provas sobre a possível NACIONALIDADE DE JESUS: ♠) Três provas de que Jesus era judeu: ♣ – Assumiu os negócios do pai; ♣ – Viveu em casa até os 33 anos; ♣ – Tinha certeza de que a mãe era Virgem, e a mãe tinha certeza de que ele era Deus. ♠) Três provas de que Jesus era irlandês: ♣ – Nunca foi casado; ♣ – Nunca teve emprego fixo; ♣ – O último pedido dele foi uma bebida. ♠) Três provas de que Jesus era italiano: ♣ – Falava com as mãos; ♣ – Tomava vinho em todas as refeições; ♣ – Trabalhou no comércio. ♠) Três provas de que Jesus era californiano: ♣ – Nunca cortou o cabelo; ♣ – Andava descalço ; ♣ – Inventou uma nova religião. ♠) Três provas de que Jesus era francês: ♣ – Nunca trocava de roupa; ♣ – Não lavava os pés; ♣ – Não falava inglês. ♠) Três provas de que Jesus era brasileiro: ♣ – Nunca tinha dinheiro; ♣ – Vivia fazendo milagres; ♣ – Se ferrou na mão do governo. Não foi possível chegar a um consenso sobre a nacionalidade de Jesus, mas todos concordaram com uma coisa: Judas, com certeza, era Argentino…

Duas Profecias

Outro dia, meu querido professor de Filosofia instruiu-nos fazer um trabalho que deu um enorme trabalho. Incluia ler, resumir e fazer um parecer de O Manifesto do Partido Comunista, de Karl Marx e Friedrich Engels, O Sermão da Montanha, O Decálogo e Os Dez Mandamentos para posteriormente analisar um texto de Richard Rorty. Eu pensei -perdão às damas que venham a ler isto- "Caralho, esse miserável faz ideia de quanto trabalhoso isso será?" e fiquei morrendo de raiva, mas sabia que era melhor fazer o trabalho. Eu bati na boca depois de ler o texto de Rorty e O Manifesto. Peço perdão aqui ao meu professor por ter pensado tal coisa. Se arrependimento matasse... O texto dele está abaixo, assim como o parecer que fiz. Em breve postarei um apendice com as referencias que Rorty faz. Texto bom é texto cheio de referencia! Boa leitura! Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж
Duas Profecias
Richard Rorty
Profecias falhas muitas vezes ensejam leituras inestimavelmente inspiradoras. Tome dois exemplos: o Novo Testamento e o "Manifesto Comunista". Ambos foram pensados por seus autores como previsões do que iria acontecer -previsões baseadas no conhecimento supremo das forças que determinam a história humana. Ambos os conjuntos de previsões foram, até agora, um fiasco risível. Ambas as pretensões de conhecimento tornaram-se objetos do ridículo. Cristo não voltou. Aqueles que sustentam que seu retorno é iminente e que seria prudente tornar-se membro de uma seita particular, a fim de preparar-se para esse evento, são corretamente vistos com suspeita. Ninguém pode provar, é claro, que o segundo advento não ocorrerá — o que forneceria evidência empírica da encarnação. Mas estamos à espera há um bom tempo. Analogamente, ninguém poderá provar que Marx e Engels estavam errados ao afirmarem que "a burguesia forjou as armas que lhe trazem a morte" (die Bourgoisie hat... die Waffen geschmiedet, die ihr den Tod bringen). É possível que a globalização do mercado de trabalho, no próximo século, reverta a progressiva burguesificação do proletariado europeu e norte-americano e que se torne verdade que "a burguesia é incapaz de seguir reinando, pois é incapaz de assegurar uma existência aos escravos no interior da própria escravidão" (die Bourgeoisie ist unfähig noch länger zu herrschen, weil sie unfähig ist ihrem Sklaven die Existenz selbst innerhalb der Sklaverei zu sichern). Talvez ocorra, então, o colapso do capitalismo e a tomada do poder político por um proletariado virtuoso e esclarecido. Talvez, em resumo, Marx e Engels tenham errado por um ou dois séculos. Contudo, o capitalismo superou muitas crises no passado e aguardamos há um bom tempo por esse proletariado. Mais uma vez, nenhum zombeteiro poderá dizer ao certo se o que os cristãos evangélicos designam como "tornar-se um Novo Ser em Jesus Cristo" não é uma experiência autenticamente transformadora, miraculosa. Mas os que declaram ter renascido dessa forma não parecem portar-se de maneira diversa do que se portavam no passado, pelo menos não tanto quanto esperávamos. Esperamos há um bom tempo que os prósperos cristãos se portem com mais dignidade do que os prósperos pagãos. De modo análogo, não podemos dizer ao certo se algum dia vislumbraremos novos ideais que tomarão o lugar daqueles que Marx e Engels chamaram — com desdém — de "individualidade, independência e liberdade burguesas" (Bourgeoispersönlichkeit, selbständigkeit und freiheit). Mas aguardamos pacientemente que os regimes ditos marxistas expliquem exatamente como são esses ideais e como devem ser transformados em realidade. Até agora, todos esses regimes provaram ser retrocessos a uma barbárie pré-iluminista, e não estágios iniciais de uma utopia pós-iluminista. Há também, é claro, aqueles que lêem as Escrituras cristãs para descobrir o que o futuro, dentro de alguns anos ou décadas, lhes reserva. Foi o caso de Ronald Reagan, por exemplo. Até recentemente, inúmeros intelectuais liam o "Manifesto Comunista" com o mesmo propósito. Assim como os cristãos aconselharam paciência e nos asseguraram que é injusto julgar Cristo pelos erros de seus fiéis sequazes, os marxistas nos asseguraram que todos os regimes "marxistas" foram, até hoje, perversões absurdas dos propósitos de Marx. Os poucos marxistas sobreviventes admitem, agora, que os partidos comunistas de Lênin, Mao e Castro não guardavam nenhuma semelhança com o poderoso proletariado dos sonhos de Marx, mas foram simples instrumentos de autocratas e oligarcas. Mas, nos dizem, algum dia haverá um genuíno partido revolucionário, um genuíno partido do proletariado — um partido cujo triunfo nos trará uma liberdade tão diversa da "liberdade burguesa" quanto a doutrina cristã de que o amor é a única lei difere dos ensinamentos arbitrários do Levítico. A maioria de nós não leva mais a sério nem os adiamentos ou as ratificações marxistas ou cristãs. Mas isso não nos impede, nem deve nos impedir, de buscar inspiração e encorajamento no Novo Testamento e no "Manifesto". Pois ambos os documentos são expressão da mesma esperança: que um dia seremos capazes de tratar as necessidades de todos os seres humanos com o respeito e a consideração com que tratamos as necessidades daqueles que nos são mais próximos e que amamos. Ambos os textos acumularam um grande poder inspirador ao longo dos anos. Os dois são documentos fundadores de movimentos que fizeram muito pela liberdade e igualdade humanas. Até hoje, ambos inspiraram inúmeros homens e mulheres valentes e abnegados, que arriscaram as suas vidas e fortunas para impedir que as gerações futuras sofressem inutilmente. É possível que haja tantos mártires socialistas quanto mártires cristãos. Se a esperança humana puder sobreviver a ogivas carregadas de carbúnculo, a inventos nucleares do tamanho de valises, à superpopulação, ao mercado de trabalho globalizado e aos desastres ambientais do próximo milênio, e se tivermos descendentes que, daqui a um século, ainda sejam capazes de consultar os registros históricos ou buscar inspiração no passado, talvez eles se recordem de Santa Inês e Rosa Luxemburgo, de São Francisco e Eugene Debs, de Padre Damien e Jean Jaurès como membros de um só movimento. Do mesmo modo que o Novo Testamento é lido por milhões de pessoas que não perdem muito tempo pensando se Cristo retornará algum dia, assim também o "Manifesto Comunista" ainda é lido por quem espera e acredita que a justiça social pode ser atingida sem uma revolução do tipo previsto por Marx: que uma sociedade sem classes, um mundo "em que o livre desenvolvimento de cada um é a condição para o livre desenvolvimento de todos" (worin die freie Entwicklung eines jeden, die Bedingung für die freie Entwicklung aller ist), pode surgir como consequência daquilo que Marx desdenhava como "reformismo burguês". Pais e professores deviam encorajar os jovens a ler esses dois livros. O jovem será moralmente melhor por tê-los lido. Devemos educar nossos filhos para que considerem insuportável o fato de nós, leitores do Frankfurter Allgemeine Zeitung, sentados atrás de mesas e computadores, ganharmos dez vezes mais do que aqueles que sujam as mãos limpando lavabos e cem vezes mais do que aqueles que fabricam nossos computadores no Terceiro Mundo. Devemos nos certificar de que eles tenham consciência de que os países pioneiros na industrialização possuem uma riqueza cem vezes maior do que aqueles que ainda não se industrializaram. Os nossos filhos têm de aprender, desde cedo, a enxergar as desigualdades de suas fortunas e aquelas de outras crianças não como a "Vontade de Deus", nem como "o preço necessário da eficiência econômica", mas como uma tragédia evitável. Eles devem começar a pensar, o mais cedo possível, sobre como modificar o mundo, de modo a fazer com que ninguém passe fome enquanto outros se empanturram. As crianças precisam ler a mensagem de fraternidade humana de Cristo em conjunto com o relato de Marx e Engels sobre como o capitalismo industrial e o mercado livre -indispensáveis como são hoje- tornaram muito difícil instituir essa fraternidade. Elas precisam ver as suas vidas como esforços no sentido de realizar a nossa potencialidade moral, inerente a nossa capacidade de comunicar as nossas necessidades e esperanças. Elas devem ouvir histórias sobre as congregações cristãs que se reuniam nas catacumbas e sobre os comícios de operários nas praças de metrópoles. De fato, ambos cumpriram papéis igualmente importantes no longo processo de realização dessas potencialidades. O conteúdo inspirador do Novo Testamento e do "Manifesto Comunista" não é diminuído pelo fato de milhões de pessoas terem sido escravizadas, torturadas ou terem morrido de fome a mando de pessoas sinceras ou moralmente sérias, que recitavam trechos de um ou de outro texto, a fim de justificar seus atos. A lembrança dos porões da Inquisição e das salas de interrogatório da KGB, da cobiça e arrogância impiedosas do clero cristão e da nomenclatura comunista deve, de fato, advertir-nos contra o perigo de depositar o poder nas mãos de algumas pessoas que alegam saber o que Deus, ou a História, quer. Muitas vezes, a esperança assume a forma de uma previsão errada, como ocorreu em ambos os documentos. Porém a esperança pela justiça social é a única base para uma vida humana digna desse nome. Cristianismo e marxismo ainda podem causar muito mal, pois tanto o Novo Testamento quanto o "Manifesto Comunista" ainda podem, efetivamente, ser evocados por hipócritas morais ou gângsteres egocêntricos. No meu próprio país, por exemplo, uma organização chamada Coalizão Cristã mantém sob rédea curta o Partido Republicano (e portanto o Congresso). Os líderes de tal movimento convenceram milhões de eleitores que taxar os bairros ricos para auxiliar os guetos é algo pouco cristão. Em nome dos "valores da família cristã", a coalizão ensina que o amparo do governo norte-americano a crianças de mães adolescentes, desempregadas e solteiras acabaria por "minar a responsabilidade individual". As atividades da coalizão são menos violentas do que as do movimento peruano Sendero Luminoso, hoje já moribundo. Mas os resultados de sua obra são igualmente funestos. O Sendero Luminoso, em seu auge assassino, era encabeçado por um professor de filosofia perturbado, que acreditava ser o sucessor de Lênin e Mao: um intérprete contemporâneo inspirado nos escritos de Marx. A Coalizão Cristã é encabeçada por um tele-evangelista carola: o reverendo Pat Robertson — um intérprete contemporâneo dos Evangelhos que, provavelmente, causa muito mais sofrimento nos Estados Unidos do que Abiel Guzmán conseguiu causar no Peru. Em suma: é melhor, ao ler o "Manifesto" ou o Novo Testamento, ignorar os profetas que se dizem intérpretes autorizados de um ou outro texto. Ao ler os próprios textos, devemos relevar as previsões e nos concentrar nas expressões de esperança. Devemos ler a ambos como documentos inspiradores, apelos ao que Lincoln chamava "os melhores anjos de nossa natureza", e não como relatos precisos da história do destino humano. Se tratarmos o termo "cristianismo" como o nome deste apelo, e não como uma pretensão ao conhecimento, essa palavra ainda designará uma força poderosa, a serviço da dignidade e da igualdade humanas. "Socialismo", de forma semelhante, será o nome da mesma força -um nome atualizado, mais preciso. "Socialismo cristão" será um pleonasmo: hoje, não se pode esperar pela fraternidade que pregam os Evangelhos sem esperar que os governos democráticos redistribuam a renda e as oportunidades, em oposição ao mercado. Não se pode levar a sério o Novo Testamento como um imperativo moral, e não como uma profecia, sem levar igualmente a sério a necessidade de uma tal redistribuição. Datado como é o "Manifesto", ainda assim ele é uma declaração admirável da grande lição que aprendemos ao ver o capitalismo industrial em ação: que a derrubada de governos autoritários e o advento da democracia constitucional não bastam para assegurar a igualdade ou a dignidade humanas. Hoje, assim como em 1848, é inegável que os ricos tentarão ficar mais ricos ao fazer os pobres mais pobres, que a total mercantilização do trabalho levará à miséria dos assalariados, que "o Executivo do Estado moderno é apenas um comitê que administra os negócios comuns de toda a classe burguesa" (Die moderne Staatgewalt ist nur ein Ausschuss, der die gemeinschaftlichen Geschäfts der ganzen Bourgeoisklasse verwaltet). A distinção proletariado-burguesia hoje talvez soe tão antiquada como a distinção cristão-pagão, mas se substituirmos "os 20% mais ricos" pelo termo "burguesia" e "os outros 80%" pelo termo "proletariado", a maioria das frases do "Manifesto" permanecerá verdadeira (é claro, porém, que elas soam um pouco menos verdadeiras em "Welfare States" totalmente desenvolvidos, como a Alemanha, e um pouco mais verdadeiras em países como o meu, no qual a cobiça predomina e as conquistas do "Welfare State" são rudimentares). Dizer que a história é a história da luta de classes ainda é verdadeiro, se seu significado for que, em toda cultura, sob qualquer forma de governo e em todas as situações imagináveis (na Inglaterra, quando Henrique 8º dissolveu os monastérios, na Indonésia, depois que os holandeses partiram, na China, após a morte de Mao, na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos de Thatcher e Reagan), as pessoas que já tenham posto as mãos no poder e no dinheiro farão de tudo para que seus descendentes os monopolizem para sempre. Se a história apresenta um espetáculo moral, este é a luta para romper tais monopólios. O uso da doutrina cristã para pleitear a abolição da escravatura (e para repudiar o equivalente norte-americano das leis de Nurembergue — as leis de segregação racial) revela o melhor do cristianismo. O uso da doutrina marxista para despertar a consciência dos operários, para esclarecer-lhes como eles são explorados, revela o melhor do marxismo. Quando elas se fundem, como no movimento "Evangelho Social", nas teologias de Paul Tillich e Walter Rauschenbusch e nas encíclicas papais mais socialistas, a luta pela justiça social pode transcender as controvérsias entre teístas e ateístas. Tais controvérsias devem ser superadas: importa muito mais (é o que ensina o Novo Testamento) a forma de tratarmos os outros no dia-a-dia do que o resultado de disputas sobre a existência ou a natureza de outro mundo. O movimento sindical, que Marx e Engels pensavam apenas como uma transição para os partidos políticos revolucionários, revelou-se a encarnação mais inspirada das virtudes cristãs da abnegação e da ágape fraternal já registrada na história. A ascensão dos sindicatos, sob o aspecto ético, é o desenvolvimento mais promissor dos tempos modernos. Ele testemunhou o mais puro e altruísta heroísmo. Embora muitos sindicatos tenham se tornado corruptos e outros, petrificados, a estatura moral dos sindicatos faz sombra à igreja e às empresas, aos governos e às universidades. Pois os sindicatos foram fundados por homens e mulheres que tinham muito a perder -arriscava-se perder o trabalho e não levar comida para os familiares. Eles assumiram esse risco em proveito de um futuro humano melhor, e todos lhes somos gratos. As organizações por eles fundadas estão santificadas pelos seus sacrifícios. O "Manifesto" inspirou os fundadores da maioria dos sindicatos dos tempos modernos. Ao citarem as suas palavras, os fundadores dos sindicatos são capazes de incitar milhões de operários contra as condições degradantes e os salários de fome. Tais palavras reforçaram a crença de que o sacrifício dos grevistas -sua disposição de ver suas crianças passarem fome, mas não de ceder às exigências de maior retorno para o investimento do proprietário- não seria em vão. Um texto que foi capaz disso sempre fará parte dos tesouros de nosso legado intelectual e espiritual. De fato, o "Manifesto" exprimiu algo de que os trabalhadores aos poucos se davam conta: "Em vez de se erguer com o progresso da indústria", o trabalhador corria o risco de "afundar, cada vez mais, abaixo das condições de existência de sua própria classe" (Die moderne Arbeiter dagegen, statt sich mit dem Fortschritt der Industrie zu heben, sinkt immer tiefer unter die Bedingungen seiner eignen Klasse hinab). Na Europa e nos Estados Unidos, tal risco foi evitado, ao menos por certo tempo, graças à coragem de trabalhadores que leram o "Manifesto" e, como resultado, sentiram-se no dever de exigir sua parcela de poder político. Se esperassem pela bondade e caridade de seus superiores, suas crianças ainda seriam analfabetas e mal-nutridas. As palavras do Evangelho e do "Manifesto" talvez tenham proporcionado igual quantidade de coragem e inspiração. Mas, em muitos aspectos, o "Manifesto" é um livro mais apropriado ao jovem do que o Novo Testamento. Este último, de fato, padece do defeito moral do escapismo: a sua sugestão de que podemos separar o problema de nossa relação individual com Deus — a nossa chance individual de salvação — de nossa participação nos esforços cooperativos para dar cabo de sofrimentos inúteis. Muitas passagens dos Evangelhos sugeriram que os proprietários de escravos tinham legitimidade em fustigar seus escravos e que os ricos podiam deixar os pobres morrerem de fome. Afinal de contas, todos eles iriam para o céu e seus pecados seriam perdoados por terem aceitado Cristo como Senhor. Como texto do mundo antigo, o Novo Testamento aceita uma das convicções centrais dos filósofos gregos, para quem a contemplação das verdades universais era a vida ideal para um ser humano. Segundo essa convicção, as condições sociais da vida humana nunca mudarão, ao menos em nenhum aspecto importante: sempre teremos pobres ao nosso lado — e talvez também escravos. Tal convicção leva os autores do Novo Testamento a desviarem a atenção da possibilidade de um futuro melhor e a se concentrarem na esperança de um lugar no céu. A única utopia que tais autores imaginam situa-se num outro mundo, totalmente diverso. Nós, modernos, somos superiores aos antigos -tanto pagãos quanto cristãos- em nossa capacidade de imaginar uma utopia aqui na Terra. Os séculos 18 e 19 testemunharam, na Europa e na América do Norte, uma alteração radical na esperança humana -uma alteração da eternidade para o tempo futuro, da especulação sobre como ganhar as benesses divinas para o planejamento da felicidade das gerações futuras. Essa noção de que o futuro humano pode ser modificado pelo passado, desvinculado de poderes não-humanos, é magnificamente expresso no "Manifesto". Seria melhor, é claro, se tivéssemos um novo documento para dar inspiração e esperança às crianças — que fosse isento dos defeitos do Novo Testamento e do "Manifesto". Seria bom se houvesse um texto reformista, que prescindisse do caráter apocalíptico dos dois livros -que não dissesse que todas as coisas precisam ser refeitas ou que a justiça "só pode ser alcançada por meio da destruição violenta de toda a ordem social existente" (nur erreicht werden -kann- durch den gewaltsamen Umsturz aller bisherigen Gesellschasftsordnung). Seria bom se houvesse um documento que exprimisse os detalhes dessa utopia terrena, sem nos assegurar que essa utopia emergirá com plena maturidade, e rapidamente, tão logo algumas mudanças decisivas sejam tomadas — tão logo a propriedade privada seja abolida ou tão logo aceitemos Jesus em nosso coração. Seria melhor, em suma, poder conviver sem profecias ou pretensões ao conhecimento das forças determinantes da história -se é que esta esperança pode se sustentar sem tal apoio. Talvez algum dia tenhamos um novo texto para dar a nossas crianças -um que se abstenha de previsões, mas expresse o mesmo anseio por fraternidade que o Novo Testamento e esteja cheio de acuradas descrições das formas mais recentes de desumanidade, como o "Manifesto". Nesse ínterim, só temos a agradecer a esses dois textos, que nos ajudaram a ser pessoas melhores e a superar, em certa medida, nosso egoísmo grosseiro e nosso sadismo cultivado. Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж Eu adorei ler esse texto e fazer esse parecer. Infelizmente não está numa ordem inteligível e tem emoção demais, um pecado inefável para um escritor. Pensei várias vezes se deveria ordenar numa ordem "aceitável", mas decidi que não, vai assim mesmo. Este parecer apresentado aqui é levemente diferente do que apresentei em sala, alterei uma ou outra coisa. As coisas parecem melhores ou piores quando revistas. Lá vai!

♠ Tenho conversado muito com um amigo sobre política. Chego cada vez mais à conclusão de que uma mudança é necessária. É necessário ensinar o povo.

♠ Um dia seremos todos iguais. Mas não da forma sugerida por George Orwell, em A Revolução dos Bichos. Haverá um dia em que todos aqueles que lutaram, de uma forma (religiosa) ou de outra (comunista) ou ainda de uma terceira (culturalmente) ou quarta (militarmente) serão reconhecidos como heróis. Heróis que lutaram dignamente ou não pelo que acreditam. “O que nós precisamos é de um herói”.

♠ O poder corrompe. Ou fez com quem o manipula já fosse corrompido antes de poderem controlá-lo.

♠ Este próximo vem de uma das muitas conversas que tive tem pouco tempo. Digamos apenas que tudo o que esta pessoa diz reluz (irei chamá-la de "Amy", como um pseudonimo). "Sobre política, meu ex marido foi um político, e como todos, ele se transformou. Vi isso dentro da minha casa, com um cara que fui casada por 11 anos. Então fica minha teoria: todo mundo com poder vira Smeagol e olha pro anel dizendo: meu precioso. Espero que nada disso aconteça nem a você nem ao seu amigo.".

Por algum motivo, fiquei com um nó na garganta quando li isto, especialmente a parte do "espero que nada disso aconteça nem a você nem ao seu amigo.". Cara... isto realmente me bateu forte! Não sei o que a política faria a mim e nem a um cidadão que conheço (chamemos de "General Lopez", por enquanto), mas eu sonho em mudar o Brasil. Tenho princípios demais num mundo mau, em que há poucas pessoas que ainda fazem valer algo. O Brasil precisa ser mudado. Sem duvida, o poder corrompe. Algum filosofo já disse isso. Mas os principios não estão à venda. O Brasil precisa de Educação de qualidade, e este é um principio meu. Não está à venda. Sem duvida, o poder corrompe. E não sei se sou forte o suficiente para lutar contra ele. Mas acredito nos meus ideais, e talvez as pessoas achem que eu e meu amigo sejamos tolos jovens sonhadores, e provavelmente somos, mas ainda assim, corro o risco de estar repetindo este paragrafo demais e de forma. Acho que vou encerrar este por aqui, com uma citação que nunca lembro se quem disse foi Winston Churchil ou Aleister Crowley: "você pode matar um homem, mas nunca seus ideais.". A maior prova disto é Jesus Cristo. Morreu pelo que acreditava, e até hoje é lembrado de forma quase exaustiva em grande parte do mundo.

♠ O Brasil precisa ser mudado. Precisa-se mudar seus conceitos de importância.

♠ Talvez isto explique um pouco do que é necessário acontecer: estava no Respostas e vi uma pergunta Você gostou ou não da nomeação do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016?. Minha resposta teve como base duas que já havia respondido:

♠ " eu não dou a mínima para as Olimpíadas". A mais pura verdade. ♠ "afinal pouco me importa se o BRASIL ganhar medalhas e blá blá blá". No Brasil se investe teoricamente muito em Esportes e nada em Cultura. ♠ "até porque não irá mudar nada na minha vida se isso acontecer", apenas os competidores e emissoras serão beneficiadas se isso ocorrer ♠ "o povo é muito fútil , existe tantas coisas para nos preocuparmos" estava conversando com um amigo meu (General Lopez) assistindo um jogo de futebol amigo. Em pouco tempo, uma discussão profunda irrompeu no campo, sobre se havia sido falta ou não. Eu e meu amigo começamos a filosofar sobre este assunto e como o Brasileiro Médio é futil. ♠ ,"no fundo OLÍMPIADAS significa : Ganhar dinheiro dos trouxas", não tenho nem ideia do quanto LULA e sua corja irá ganhar com isto. ♠ "quantos brasileiros irão juntar dinheiro pra ir lá pro Rio ver os Jogos Olímpicos? Te garanto que muitos" As pessoas irão deixar de usar dinheiro para comprarem livros e educação para irem para os jogos. Com o preço de um ingresso (cerca de R$ 87 [preço previsto para cada ingresso]), uma pessoa poderia comprar um livro escolar volume único de Filosofia, Sociologia, Historia e quase todos os outros e ainda sobraria. Mas estas três seriam minha recomendação pessoal. Se a pessoa não quiser comprar um desses, vou citar o preço máximo das editoras mais acessiveis (embora, não necessáriamente as mais corretas [fui avisado pela Amy que existe roubo de direitos autorais quanto a MC]): Martin Claret: R$ 10,50 edição normal de 'Coleção a Obra Prima de Cada Autor'. L&PM Pocket: R$ 14,50 edição Pocket. Martin Claret: R$ 18,50 edição da Serie Ouro. A MC tem cerca de 295 livros publicados na normal, 60 na Ouro e a L&PM mais de 700 volumes. Fazendo as contas, você pode comprar entre 8 e 4 ou 5 livros, estou com preguiça de calcular direito... ♠ "e te garanto também que se eles for parar pra refletir eles não irão ganhar nada com isso" O Brasileiro Médio não ganhará nada indo assitir a um destes jogos. ♠ "achei tao fula essa comemoraçao do governos , Pelé, brasileiros , me desculpe ser um pouco rude mas essa é my opinion ;]". É extremamente fútil, assim como muitas coisas relacionadas a esportes. Se não me engano, Pitágoras ou Platão já escreveu sobre isso. ♠ "Na verdade eu acho que as pessoas são muito influenciadas por coisas sem impotância, sendo hipnotizadas á perder dinheiro e tempo no que realmente importa" são levadas pelas crenças e preconceitos, influencias e ignorancia. ♠ "Vai trazer muito dinheiro pro BRASIL ,mas não para nosso bolso". O Brasileiro Médio, muito pelo contrário, só irá gastar em obras ultra-hiper-mega-giga-tera-superfaturada… Serão estádios reformados, construções novas, tudo! Digamos que um estádio saia por R$ 800 milhões. Para fins de "aproximação e tornar o calculo mais fácil", os encarregados arredondarão para o valor fechado mais próximo: R$ 1 bilhão. E aí, cadê os R$ 200 milhões a mais? Numa(s) conta(s) da Suiça. Agora, imagine se todos os R$ 1 bilhão fossem para Educação e/ou Saude. O Brasil seria menos desmoralizante. ♠ Esta citação é de outro respondente: ♠ "quem deve estar comemorando é a Rede Globo, SBT, Record etc..." Ele foi "agudo" nesta. ♠ "eles vão faturar bastante, não é?" Muitos bilhões em propagandas e anunciantes e patrocinadores. ♠ "Soltaria uma caixa de foguete e ficaria feliz da vida... se fosse aprovado a diminuição da idade penal. Isso me afeta [mais] diretamente," Concordo também. Uma pessoa com 16 anos já serve para votar, então ela já serve para beber (legalmente, pois ilegalmente, quase todos já fazem) e ser presa. Já tem ideia das consequencias dos seus atos. ♠ "Entende?"

♣ Encerradas aqui as citações do Yahoo! Respostas. ♣

♠ O Brasileiro gastará R$ 87 para assistir um único jogo que durará pouco tempo. Se ao invés disso parasse para comprar algum dos livros sugeridos, ele ganharia muito mais. Ganharia conhecimento. Perderia ignorância e a capacidade de ser enganado. Mas isto não é interessante para o Estado, é? Deve-se deixar o povo ignorante para que ele continue sendo enganado.

♠ Talvez este parecer esteja completamente equivocado. Provavelmente está. Talvez também esteja muito mal feito. Mas foi assim que eu entendi o texto: uma metáfora para mudarmos o mundo.

Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж---Ж---Ф---Ф---Ж

♠ E foi só até aí que foi o parecer.

♠ Mas ainda posso relacioná-lo posteriormente com um discurso de Martin Luther King sobre os Sonhos. E este eu farei questão de publicar.

♠ Hoje meu professor me enviou uma pequena mensagem sobre Mikhail Bakunin, (o "inventor" do Anarquismo e russo [caramba, amo a Rússia. É meu sonho de consumo. Podem me chamar de louco, mas desejo falar russo e ir para lá.]). Ela comprovava o que a Amy dizia. Acho que clicando na imagem você amplia.

♠ Irei estudar mais sobre Bakunin e postarei algo aqui. Mas antes, minha prioridade é o discurso de MLK.

Obrigado a quem leu (que sei que são pouquíssimos, atualmente). xoxo

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Lendo as Entranhas: Um Rondel

Ok. Este é mais um texto do Neil. O nome é ligeiramente óbvio, trata-se de um Rondel. Aprendi com este conto a colocar sempre uma introdução (leia citação [amo citações. Vou procurar um blog só de citações e seguir]) no início de um texto. Ainda não concluí o Parecer Crítico, depois posto ele.
Lendo as Entranhas: Um Rondel
Neil Gaiman
-Quero dizer - disse ela - que ninguém pode fazer nada para não envelhecer. -Uma pessoa não pode - retrucou Humpty Dumpty -, mas duas podem. Com a adequada assistência, você pode para aos sete anos.
-Lewis Carrol, Alice no País dos Espelhos
Chamam de acaso, ou sorte, ou chamam de Destino-
As cartas e estrelas que tombam por vontade própria.
O amanhã se manifesta e traz a conta
Para cada beijo e morte, as pequenas e as grandes.

Queres saber o futuro, amor? Então espera:
Responderei tuas impacientes perguntas. Ainda-
Chamam de acaso, ou sorte, ou chamam de Destino,
As cartas e estrelas que tombam por vontade própria.

Irei até ti esta noite, meu bem, quando for tarde,
Não me verás, talvez te arrepies.
Esperarei até que durmas, então tomarei o que é meu,
E será teu futuro numa bandeja.
Chamam de acaso, ou sorte, ou chamam de Destino.


Lendo as Entrelinhas: Um Comentário
Apesar de dizer que só postaria o parecer depois, resolvi fazer isto logo. Neil escreveu isso para uma antologia sobre os perigos de se prever o futuro. Ele ia escrever um vilancete (que é horrível de se escrever. É o pior de todos que já escrevi.), porque faz eco (repetição). Resolveu, então, escrever um Rondel. Ora, eu já disse que um Rondel é delicioso de se escrever. É fácil, é repetitivo, é simples, é delicioso! Temos muitas formas de prever o futuro. Listarei algumas: ♠ Tarot. É uma das formas de adivinhação mais antigas que existem, mas nem por isso, antiquada. Vem da interpretação de cartas (ou laminas ou arcanos). Existem muitos baralhos. Místico, Marselha, Golden Dawn, Thot (ou de Crowley), Anjos etc. ♠ Leitura de Entranhas: antigo método de adivinhação. Os celtas eram os melhores nesta. É bem simples: pega-se um animal, pega-se uma faca ritualística, enfia-se a faca na barriga do animal e lê-se as entranhas. É esta a que é referida no Rondel. ♠ Runas. A pessoa pega as runas (geralmente quatro ou nove, de marfim ou de ébano. Gosto mais das de ébano) e joga para cima. Elas tem entalhes de um lado. A base é a seguinte: se todos os ntalhes caem para baixo, é "não". Para cima, é "sim". Daí, pode-se chegar a muitas conclusões. Esta é a utilizada por Lilin em Stardust, de Neil Gaiman, quem mais? Nota: elas vem da velha Mitologia Nórdica, a mais interessante de todas. Foram criadas por Odin, o Patriarca. ♠ Oráculo. Haviam dois tipos: ♣) A pessoa ia para o Oráculo e dizia sua dúvida para um sacerdote. Ela dava a oferenda e o sacerdote transmitia a dúvida da pessoa para a Pítia (em termos básicos, uma médium) que estava em frente a uma fogueira aonde algumas ervas queimavam. A Pítia então transmitia uma suposta "mensagem dos deuses" para o sacerdote que a interpretava e dizia para o contratante. Quanto melhor a oferenda, melhor a interpretação. ♣) O homem escolhia uma virgem grega linda e, através de bebidas e drogas, levavá-a a um extase onde ela dava mensagens divinas. Depois disso, a Oráculo serviria a apenas ele, pois ela não seria aceita como Oráculo por outro homem, visto que sua virgindade já havia sido perdida. ♠ O método de Nostradamus. Este eu falarei posteriormente. ♠ Folhas de chá. O consultado (chamemos de contratante) bebia chá de folhas. Depois, utiliza- se a borra que fica no fundo da xícara para a previsão do futuro. Cada forma diferente, um significado diferente. ♠ Bola de Cristal. O vidente olha a Bola e, através dela, visualiza cenas do futuro de uma pessoa. Este método me parece o mais... Irreal. ♠ Leitura das mãos. Também pode ser encontrado como Quiromancia. Na linhas existentes nas mãos é possível visualizar as aptidões de alguém. Mais informações aqui, ali e nesse outro. Atualmente tenho me aventurado no Tarot. Mas também gosto de runas. Mas adivinhações são altamente complexas. Não queira comprar um kit de algo e já sair por aí fazendo leituras do passado/presente/futuro só porque já leu um livro de Tarot. "E será teu futuro numa bandeja.". Pode ser o teu futuro e/ou a tua cabeça numa bandeja. Cuidado. Não mexa com as coisas antigas se não puder ajudá-las. Ouça os conselhos... Paz!

terça-feira, 13 de outubro de 2009

O Preço da Verdade

Este post é curto e é um pequeno desabafo sobre a situação atual do mundo (e um exagero na 1ª linha). Tem umas duas semanas, mais ou menos, marquei com dois amigos para irmos ao cinema. Hoje. Ontém, liguei para um deles para confirmar tudo, e o animal do Kabbalista disse que não podia ir. Então, depois, conversei com o outro se iamos ou não. A mudança entre um pessoa e outra está nas cores da conversa. A dele é azul e a minha vermelha. Ele disse "Olha... É melhor ir na Quinta-Feira..." "Mas o cinema vai estar lotado, você já foi num Shopping num feriado?" (o feriado, no caso, é dia dos professores). Depois de algum tempo, voltamos a conversar.Cara. ".. Eu tenho que estudar." "Estudar pra quê?" "Física... Matemática..." "Você vai ter um feriadão de quatro dias, e ainda quer ficar estudando mais?". Aí, finalmente ele abriu o jogo: "Ah, eu não estou a fim.". Fiquei morrendo de raiva. Não era porque ele não queria ir não, porque eu fui mesmo assim. Não preciso de pessoa alguma para ir ao cinema assistir um filme. Foi simplesmente porque ele não me disse logo porque não queria ir. O que que custava o camarada dizer "Olha, Castro, eu não tô a fim de ir.". Pronto. Acabou. Dot. O problema foi a mentira (de pernas curtíssimas) que ele inventou. Fiquei pensando sobre isso um pouco, cheguei à conclusão de que ele não está errado. O mundo que nos faz ter de fazer isso. Se as pessoas fossem um pouquinho menos desmoralizantes, não achariam que uma verdade tão tola poderia incomodar alguém. Depois, se tiver paciência, volto a escrever sobre isto. Desculpe aos leitores se não tenho papas na lingua. Não ligo para verdades, mesmo que venham a machucar um pouco. A alternativa é pior.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Como se escrever um Rondel

Rondel é um tipo de verso (a.k.a poema) que tem dois tipos. Ensinarei aqui o mais simples, não o da Wikipédia. Vou começar antes falando da palavra Rondel. É de origem francesa (mais especificamente, Francês Arcaico). Vem de roont , algo como "pequeno círculo". A origem da palavra não poderia ser melhor. A palavra Rondel também pode designar um tipo de adaga ou de escudo. A adaga era mais ou menos assim: Assim como um Soneto ou Sestina, a forma dele não varia nunca. E é bem simples: a quantidade de sílabas métricas é livre, há uma repetição imensa. E não é de palavras, mas sim de versos inteiros. São três estrófes, sendo as duas primeiras quartetos e a última um quinteto, totalizando treze versos. Menos que um Soneto. E é aí que entra a parte fácil: os dois primeiros versos da primeira estrófe se mostram os dois últimos da segunda e o primeiro de todos fecha. A estrutura de um rondel é assim: 1 2 3 4 5 6 1 2 7 8 9 10 1 Em breve (será realmente breve, palavra de Castro) postarei Lendo as Entranhas: Um Rondel, do Neil Gaiman.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Onde Deus vive

Posto isto como uma resposta à postagem anterior do Kabbalista.

O conto é de Paulo Coelho, o escritor mais vendido do mundo, salvo engano. Se chama Onde Deus vive. Apesar de não ser muito fã do cara, postarei isto aqui para ganhar duas moedas do meu amigo... :P

De qualquer forma, lá vamos nós!

Entre a França e a Espanha existe uma cadeia de montanhas. Nesta cadeia de montanhas existe uma aldeia chamada Argeles. Nesta aldeia existe uma ladeira que leva até o vale.

Todas as tardes, um velho passeia por ali.

Quando fui a Argeles a primeira vez, não reparei; da segunda vez, vi que sempre cruzava comigo. E cada vez que eu visitava aquela aldeia, reparava em mais detalhes - a roupa, a boina, a bengala, os óculos.

Hoje em dia, sempre que me lembro da cidade, também penso no velhinho - embora ele não saiba disto.

Uma única vez conversei com ele. Querendo brincar, perguntei: “Será que Deus vive nestas lindas montanhas a nossa volta?”

“Deus vive nos lugares onde deixam Ele entrar”, foi a resposta.

My Immortal...

Evanescence é ótimo. É meio sinistro, mas simplesmente ótimo. E a Amy Lee... Ela tem uma voz linda e profunda. A maquiagem é gótica, sombria e misteriosa, mas... Linda. Este é um bom jeito de se definir a melódia de My Immortal: Linda e profunda. É uma história de Amor e Dor. Nossa heroína sente uma dor inefável após a perda de alguém. Pode ser alguém amado que se foi, pode ser um filho, pode ser uma irmã. Segundo alguns comentários que li (e que não foram confirmados), esta música pode ter relação com a morte da irmã da Amy Lee. Todas as pessoas que já amaram platônicamente podem se identificar com esta música. Todas as pessoas que já perderam alguém que amaram podem se identificar com esta música. Todas as pessoas que já sofreram por alguém querido que está doente podem se identificar com esta música. Vou tomar como base alguém apaixonado para escrever a maior parte deste comentário. É mais fácil, embora não queira dizer que eu pertença a este grupo. É mais teórico. Depois irei pegar o fio de sofrimento por alguém que está doente. "Estou tão cansada de estar aqui Reprimida por todos os meus medos infantis E se você tiver que ir, Eu desejo que você vá logo Porque sua presença ainda permanece aqui E isso não vai me deixar em paz" "É uma delícia estar apaixonado, mas é horrível não ser correspondido. Isso vai acontecer na vida de todo mundo várias vezes, apesar de pensarmos quando estamos sofrendo que vai ser a última". Estas palavras são da melhor escritora que conheço atualmente, apesar de ela não gostar do que escreve. No fundo, todos os nossos medos são infantís. Você tem medo de algo que não consegue entender ou compreender. E não acho que minha interpretação deste verso esteja boa. Quando você se apaixona e não é correspondido, uma hora você irá se curar. Mas enquanto você não se cura, a Dor é uma personalidade própria, com nome, sobrenome e meia vida (muito longa, por sinal). Você fica desejando que seus sentimentos vão embora. E eles irão. E, no final, você perceberá que o vazio que você sente é pior do que a alternativa. A presença dela(e) continua nos seus pensamentos, te torturando. "Essas feridas parecem não querer cicatrizar Essa dor é muito real Isso é simplesmente muito mais do que o tempo não pode apagar" A dor é extremamente aguda! Como disse minha amiga "quando sofremos, pensamos que vai ser a última". Ora, "há muito que o tempo não pode apagar". Shakespeare disse justamente o contrário, num texto maravilhoso. Mas eu acho (e estou acompanhado por algumas pessoas) que há muito que o tempo não pode apagar. A dor de se perder alguém é uma dessas. "Quando você chorou eu enxuguei todas as suas lágrimas Quando você gritou eu lutei contra todos os seus medos Eu segurei a sua mão por todos esses anos Mas você ainda tem tudo de mim" Uma pessoa que ama se sente tentada a sofrer por seu amor. Se ele tem algum mal, sofre duas vezes, pois sente o que a outra sente e por não poder fazer algo para melhorar. "Você ainda tem tudo de mim". Quando se dá adeus a alguém, não se pode deixar tudo ir embora tão rápido. É impossivel. Um amigo meu, outro dia me perguntou "Ei, Castro, você ainda tá nessa?", ao que eu respondi "Cara, eu gostaria que pudesse ser tão simples assim. O frio que se passa não sai tão facilmente assim.". Metade disto é verdade. A outra metade é um pouco de prosa. "Você costumava me cativar Pela sua luz ressonante Agora eu estou limitada pela vida que você deixou para trás Seu rosto assombra Todos os meus sonhos, que já foram agradáveis Sua voz expulsou Toda a sanidade em mim" Aqui, Amy Lee já está se curando do "mal" que é o Amor Platônico. A pessoa amada começa a perder o encanto que tinha. Os sonhos que tivemos com ela(e) se tornam assombrosos, a voz começa a não ter mais tanta força em nossos corações. "Eu tentei com todas as forças dizer a mim mesma que você se foi Mas embora você ainda esteja comigo Eu tenho estado sozinha todo esse tempo". O fim de tudo. A pessoa vai embora e tudo o que continua é um pouco de dor reincidente. Agora, vou contar um segredinho: há umas duas semanas (dia 26/09/2009) uma pessoa que adoro ficou doente. Sofri muito por conta disto. A música também fez sentido para mim naquele momento. Ok, agora deixarei vocês. Todos os românticos, platônicos, amantes, pessoas no luto e sofredores em geral, saibam que não estão sozinhos. Se cuidem! Ouçam Evanescence! P.S.: este post marca o início da divulgação do Blog e de uma parceiria (no caso, com um canal do Youtube).

Onde Deus Reside

O grande rabino Yitzhak Meir, quando ainda estudava as tradições de seu povo, escutou um de seus amigos dizer, em tom de brincadeira:

“Eu lhe dou uma moeda se você conseguir me dizer onde Deus mora”.

“E eu lhe darei duas moedas, se você me disser onde Deus não mora” – respondeu Meir.

Necessita explicação?

Sabor de fel (ou do porque não tomar certos remédio em jejum)

Pois bem, este post é curto e grosso. Se você, como eu está fudido doente e tomando uma porrada de remédios, recomendo-lhe que evite tomá-los em jejum (exceto sob safa prudência de seguir as prescrições médicas). É sério, não dá certo. Hoje (dia seis de outubro de 2009) eu decidi tomar (acho que a doença unida a miríade de drogas para "saná-la" me causaram "acefaléia") levodropropizina e dipirona sódica em jejum. Nem precisei esperar muito tempo. Coisa de 5 minutos e as eructações com um sabor de polímero ou qualquer outra coisa plástica vinda dos laboratórios de Satã me causou um baita engulho. Não sei quanto tempo isso vai durar, mas espero que elas não durem tanto quanto dura um deus (um período pelo menos 28 vezes maior que a minha expectativa de vida (e desculpas pelo parênteses duplo mas imagino que eu vá viver alguns anos a mais que a maioria dos brasileiros já que eu sigo o lema anti plim-plim)). Até lá o jeito será eructir com a cavidade bucal escancarada afim de evitar o demoníaco e incógnito sabor oriundo dos maléficos laboratórios do adversário de Adonai.