segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Vida, Morte, Mortalidade.

A heroína da postagem
Olá, pessoas.

Estou eu tentando lembrar de onde é uma das melhores citações de Didi (Morte, Teleute etc de Sandman). A citação é a seguinte:

"Vida - e eu não acho que eu seja a primeira a fazer essa comparação - é uma doença: sexualmente transmissivel e invariavelmente fatal.
E eu acho que isso é verdade. Quero dizer, se você não faz sexo, você não faz vida. Mas assim que a coisa chamada vida começa, há uma série de outras coisas às quais você precisa ficar atento.
E é pra isso que eu estou aqui hoje. É para dar informação. Se você prestar atenção, você pode aumentar as suas chances de viver um pouco mais - cinquenta, sessenta anos talvez, se você tiver sorte.".

E eu passo uns três dias tentando lembrar de onde era. Olho aqui, olho ali, olho em todos os meus volumes de Sandman. Aí eu finalmente penso "Seria incrivelmente ridículo se estivesse em um dos números de Morte." E Estava. Está, aliás. Em Morte, o Preço da Vida. E eu fiquei me sentindo incrivelmente ridículo.

Tinha uma citação perfeita em Sinal e Ruído, mas vou evitar falar muito de Sinal e Ruído, já falei demais.
E eu decidi que irei citar outro livro: Clube da Luta.
"A morte vai começar em três, dois.
O luar banha o céu da boca.
Preparar para o último suspiro, já.
Abandonar."

"Eventualmente, a taxa de sobrevivência de todo mundo cairá a zero".

A minha duvida é: em quantos por cento estará a minha taxa de sobrevivência? E a sua?

Esta postagem foi meio que tapa buracos. Tinha umas outras duas ou cinco em mente, mas não tenho clima para fazê-las.
Uma sim, irei fazer.
A outra, farei talvez amanhã. Dependia de algo que deveria estar pronto, mas não está.

E é isso... A cada segundo nos aproximamos do momento de nossa morte... Acho que não disse o quão cansado estou. É bastante.

Bons sonhos, amigos e, por que não, boa morte.

5 comentários:

  1. Já te disse que a Morte é sempre minha preferida entre os personagens de Gaiman, acho que ela gosta das pessoas, afinal quem é que alivia as dores quando os remédios são inuteis ou a velhice nos corroi os ossos?

    Eu não sei a quantas anda a minha taxa de sobrevivência, mas quero crer que ela será suficiente para me fazer cumprir todas as minhas responsabilidades e então encarar o destino final de todos os que um dia nasceram!

    Ah, uma curiosidade estranha, o trabalho de Gaiman que me fez fã dele foi "Em Morte, o Preço da Vida", antes disso tinha lido Stardust, mas ai eu tinha apenas gostado!

    E sim, Rafael, sonhos são esquisitos, idiotas e me apavoram, por vir das dúvidas fico com uma noite sem sonhos e a esperança de que a morte, certeza de quem vive, seja como uma longa noite sem sonhos :)

    Também estou cansada então me perdoe se eu não fiz sentido...

    ResponderExcluir
  2. Já cortei essas fantasias, não quero saber sobre a minha taxa de sobrevivência... não quero saber quem vai ao meu enterro. Quero saber quem vai almoçar comigo no sábado, quem vai atender ao meu telefonema as duas da manhã, de quantas eu atenderia, quantas lembram do meu aniversário e de quantas eu lembro.... Se a morte é inevitável não precisamos pensar nela, não precisamos nos preparar pra ela, ela chega quando menos esperamos, melhor nos prepararmos para a vida, com qualidade, com prazer, e fazer alguma coisa coisa que nos importe enquanto isso..

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Tenha uma boa vida, Morpheus!
    Ignore o desabafo... Tô chatinha hoje.

    ResponderExcluir
  5. Rafael, ontem eu estava aqui divagando com vc sobre Morte e hoje presencio o insolido encontro de alguém com ela... A vida é estranha Rafael e eu não quero sonhar com nada!!!

    Cheros!!!

    ResponderExcluir